'Mate com Angu': Professora e símbolo feminista da Baixada vira documentário

Trajetória de Armanda Alvaro Alberto será contada no filme 'Armanda - História da mulher que fundou o Mate com Angu'

Por O Dia

Duque de Caxias - Educação e cultura, pontos fortes, pontos chaves que se misturam. Pontos cruciais que marcaram a história de Armanda Alvaro Alberto, educadora e militante feminista da Baixada que virou tema de documentário. O filme ‘Armanda- História da mulher que fundou o Mate com Angu’ será lançado dia 31, no ponto de encontro cultural Lira de Ouro, em Duque de Caxias.

Os primeiro passos do documentário foi da professora Liliane Leroux, que coordena o Núcleo de Estudos Visuais em Periferias Urbanas (NuVISU) da UERJ. Foi quase um ano de pesquisa e quatro para finalizar o filme. Em 2013 começaram as pesquisas para o documentário. Em 2014 e 2015 aconteceram as filmagens e desde 2016 a equipe vem se dedicando à edição.“Estamos tendo o cuidado de mostrar a multifaceta da Armanda, quem ela foi, o que ela fez ”, ressaltou Liliane.

Documentário sobre Armanda Alvaro Alberto será lançado dia 31 de maio%2C em Duque de CaxiasDivulgação

A personagem foi uma das precursoras do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova – proposta de renovar a escola tradicional com a aplicação da verdadeira função social da escola. Em 1921 fundou a Escola Proletária de Meriti, em Caxias, atendendo a uma comunidade rural carente. A escola, mais tarde renomeada Escola Regional de Meriti, ficou conhecida como Mate com Angu, por ter sido uma das primeiras da América Latina a servir merenda escolar.

Fundou a União Feminina do Brasil na década de 30 e acabou sendo presa pelo governo de Vargas. Influenciada pelas ideias de Montessori criou em Duque de Caxias (RJ) a Escola Regional de Meriti, sendo o primeiro colégio brasileiro a servir alimentação para os estudantes. “Muitos já sabem que Armanda foi uma pioneira em diversas áreas. Além de educadora era feminista, pensadora e uma mulher de ação. Ela reunia pessoas influentes na construção de seu projeto de educação. Foi presa como comunista, dividiu a famosa ‘cela 4’ com Olga Benário e Nise da Silveira, entre outras. Mas, além disso, o que mais nos interessou foi buscar a relação dela com Caxias”, diz Liliane, que dirigiu o filme com Flávio Machado e Rodrigo Dutra.

O documentário avança até os dias de hoje, nos quais o velho apelido da escola fundada pela educadora, Mate com Angu, batiza um dos mais conhecidos grupos culturais da Baixada Fluminense, o Cineclube Mate com Angu, que reúne cineastas e produtores culturais da região. “Estamos eufóricos para mostrar Armanda ao mundo. A importância cultural que ela teve para a cidade de Caxias”, disse Rodrigo Dutra.

O lançamento será aberto ao público, na Lira de Ouro, que fica na Rua José Veríssimo 72, Centro, Caxias, às 20h.

Últimas de Rio De Janeiro