Servidores: Projeto que garante aumento de 41% pode entrar na pauta de votação

Como a demora para aprovar o PL, o Supremo Tribunal Federal (STF) já refaz os cálculos para uma nova tabela de reajuste dos servidores do Poder Judiciário Federal

Por O Dia

Rio - As atenções dos servidores do Judiciário Federal estarão voltadas para o plenário da Câmara dos Deputados esta semana. A expectativa é que o PL 2648, que garante aumento de 41,47% para a categoria, entre na pauta de votação e seja aprovado.

As entidades representativas do funcionalismo, entre elas a Fenajufe e o Sisejufe, vêm intensificando ao longos das últimas semanas os contatos e as negociações com lideranças de bancadas na Casa para conseguir votar a proposta que tramita em regime de urgência.

Na semana passada, a atmosfera política agitada em Brasília com a divulgação de novas gravações de políticos envolvidos em casos de corrupção e as votações de medidas provisórias que trancavam a pauta impediram que o PL 2648 fosse apreciado em plenário. A expectativa é que seja marcada sessão extraordinária amanhã.

Na avaliação da direção da Fenajufe, a aprovação da alteração da meta fiscal proposta pelo governo interino foi positiva para a tramitação do PL. A iniciativa deve liberar a pauta para apreciar o projeto em plenário.
Diante de deste cenário, o diretor-presidente do Sisejufe, Valter Nogueira Alves, manteve as articulações políticas para garantir que o PL 2648 seja aprovado esta semana.

Como a demora para aprovar o PL, o Supremo Tribunal Federal (STF) já refaz os cálculos para uma nova tabela de reajuste dos servidores do Poder Judiciário Federal. As modificações são servir para aproveitamento dos recursos destinados ao aumento dos servidores. A proposta vai mudar a incidência da primeira parcela da correção que estava prevista inicialmente para ocorrer no mês de maio. A primeira parte do reajuste, então, ficará para junho.

Assim, a segunda parcela será levada de junho para julho e a terceira não será alterada, permanecendo em novembro. Apesar dos ajustes nos meses de pagamento, o percentual total de 41,47% não será alterado. São ao todo oito parcelas e a implementação termina em janeiro de 2019.

Últimas de Economia